Arquivo mensal julho 2019

Exames são instrumentos de diagnóstico, como a entrevista e o exame físico. Sua importância varia a cada caso. Porém, segundo especialistas, estima-se que os exames laboratoriais sejam relevantes em 60% a 70% das decisões clínicas.

Cada exame tem uma especificidade e uma sensibilidade. Isso que permite ao médico confirmar ou excluir diagnósticos — explica o chefe do Serviço de Diagnóstico Laboratorial do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Galton Albuquerque.

Impacto causados pelas bebidas alcoólicas

Conforme Albuquerque, o álcool “afeta o sistema cardiovascular, a pressão arterial, o fígado e o pâncreas”, entre outros.

Durante o jejum, o consumo de álcool é responsável pela alteração na concentração de componentes como triglicerídeos, glicose e ácido lático.

Alterações nas enzimas hepáticas são maiores em casos de alcoolistas. Mesmo respeitando o jejum, esses indivíduos podem ter seus exames alterados, afirma Albuquerque.

Se o paciente bebeu, deve remarcar o exame?

O médico deve ser sempre avisado. Cabe a ele remarcar ou não o exame sabendo do consumo de álcool. Casos como esses são comuns no período de festas de fim de ano, quando não apenas o álcool afeta o metabolismo, mas toda a alimentação.

O ideal, ressalta Erica Lammerhirt Ottoni, médica hematologista do Hospital Moinhos de Vento, é realizar exames quando a pessoa esteja em sua rotina normal.

Existe uma dose permitida?

O recomendável é 0% de álcool.

Quanto tempo antes se pode beber?

Em até 72 horas antes do exame, o álcool pode causar algum tipo de alteração.

Três lembretes

Se o exame necessita, o tempo de jejum deve ser respeitado

Medicamentos de uso contínuo devem ser mantidos. Só assim o profissional saberá a condição real do paciente

Muito populares atualmente, suplementos como a biotina (usada para cabelos, peles e unhas) devem ter sua utilização cortada três dias antes. O componente pode afetar o resultado de vários procedimentos

Fontes: Galton Albuquerque, chefe do Serviço de Diagnóstico Laboratorial do HCPA, e Erica Lammerhirt Ottoni, médica hematologista do Hospital Moinhos de Vento

O inverno chegou e com ele começa a temporada de gripes e resfriados. São infecções oportunistas, ou seja, aproveitam a baixa defesa imunológica do nosso corpo para invadir e se proliferar.

O melhor a fazer é melhorar as nossas resistências.  A combinação de hábitos saudáveis com alimentos ricos em nutrientes e que ajudam diretamente a imunidade potencializam as defesas naturais do corpo

O primeiro passo é, sem dúvida, garantir a boa saúde do intestino, pois ele é a porta de entrada para o nosso organismo. Com os hábitos certos, nós garantimos uma boa barreira intestinal.

Frutas cítricas

Como laranja, limão, kiwi, morango, goiaba, acerola, bergamota. Evite retirar a casca para fazer sucos, pois ali se concentram muitos nutrientes. Prefira sempre os orgânicos. Como a vitamina C é facilmente destruída pela luz, consuma sucos e frutas assim que preparados e cortadas.

Folhas verde escuras

Espinafre, chicória, couve. Também são ricas em vitamina C e alguns outros compostos bioativos que têm ação importante anti-inflamatória e antioxidante.

Alho e cebola

Combinação típica na culinária brasileira, hoje já se conhece os inúmeros benefícios que essa dupla traz para a saúde. O alho possui uma substância conhecida como alicina e a cebola possui a quercetina. Ambas possuem potente ação anti-inflamatória e antioxidante, e a última é um poderoso antiviral. Combinação de peso contra gripes e resfriados!

Gengibre e pimenta

Possuem duas substâncias que podem ser consideradas “primas”, que são o gingerol e a capsaicina, respectivamente, e dão aquela sensação picante característica desses dois alimentos. São duas substâncias com poder anti-inflamatório e ajudam na defesa do nosso corpo. Vale acrescentar todo dia.

Oleaginosas

Castanha-do-pará, castanha de caju, pistache, nozes. São ricos em vitamina E, que tem ação antioxidante, e boas fontes de ômega-3, um potente anti-inflamatório natural.

Orientações gerais para manter a boa saúde: tome bastante água, evite alimentos industrializados em excesso, descanse adequadamente e pratique atividades físicas regularmente – elas ajudam a aumentar a defesa imunológica do nosso organismo.

Fonte: Clic RBS/ Raquel Lupion